sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Número de internautas bate 66 milhões


Foi apresentado o balanço de 2009 feito pelo Ibope Nielsen Online sobre o acesso à internet no Brasil.

De acordo com o levantamento o número de internautas brasileiros chegou a 66,3 milhões em dezembro do ano passado, sendo que o acesso residencial cresceu 16% com relação ao mesmo período de 2008.

Neste cenário, cada pessoa passou 44 horas conectada à rede, número que sobe para 66 horas quando considerada a navegação por aplicativos, como Messenger, por exemplo. Apenas assistindo a vídeos amadores, estima-se que os internautas tenham gasto uma hora e cinco minutos por mês.

De acordo com a pesquisa AdRelevance - que monitora a publicidade veiculada na internet nacional - em dezembro foram contabilizadas cerca de 4,5 mil campanhas realizadas por 1.784 anunciantes.

Entre as categorias que se destacaram como as que mais realizaram ações na internet estão empresas do setor de finanças e investimentos, telecomunicações e automóveis. "Juntas, as três categorias somam quase a metade dos investimentos publicitários na web", conta Cris Rother, diretora executiva do Ibope Nielson Online. Os maiores anunciantes de 2009 foram, respectivamente, Bradesco, Unilever Brasil, Coca-Cola, Fiat e Itaú.

Fonte: Meio & Mensagem
Bookmark and Share

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Vendas do varejo no Ceará crescem 9,5%

O resultado estadual se apresenta como o segundo melhor desempenho do Nordeste e do Brasil

O varejo cearense encerrou 2009 com indicadores superiores à média nacional, ao registrar elevação de 9,5% no volume de vendas e de 13,9% na receita nominal, contra 5,9% e 10%, respectivamente, no País. Os resultados se apresentam como o segundo maior porcentual de faturamento do Nordeste e do Brasil, a terceira melhor receita da região e a sexta no ranking nacional. Os dados são da Pesquisa Mensal do Comércio, divulgada ontem pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). No último mês do ano, também em movimento contrário ao País, que teve taxas de variação de -0,4% frente à novembro, tanto para o volume de vendas como para a receita nominal, o Ceará registrou percentuais de crescimento de 1,2% e 2,3%, respectivamente.

Quando se considera o Comércio Varejista Ampliado (incluindo os ramos de Veículos e de Material de Construção), os índices seguem positivos. O volume de vendas acumula no ano elevação de 10,3% e a receita nominal cresce 11,8%. Em dezembro, frente a igual mês de 2008, os percentuais são de 16,9% e 19,6%, respectivamente. Entre as atividades que tiveram maior peso para puxar a taxa anual de faturamento para cima estão: Veículos, motocicletas, partes e peças (14,7%); Hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo(14,4%); e Outros artigos de uso pessoal e doméstico (10,7%).

Contribuíram ainda positivamente para a definição do índice: Combustíveis e lubrificantes (10,1%); Móveis e eletrodomésticos (9,9%); Equipamentos e materiais para escritório, informática e comunicação (8,2%); e Artigos farmacêuticos, médicos, ortopédicos, de perfumaria e cosméticos (4,5%). Na contramão desses resultados, Material de construção, que recuou 4,6% e Tecidos, vestuário e calçados, que declinou 0,3%.

Fonte: Diário do Nordeste
Bookmark and Share

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

10 tendências de comportamento das classes C, D e E

Estudos mostram que estas três classes são as que mais consomem hoje no país, além de ser a maior parte da população: 85% da população, 69% dos cartões de crédito e 70% de tudo que se compra em supermercado. O Data Popular, empresa de pesquisa e consultoria, e o instituto de pesquisa Datafolha desenvolveram uma pesquisa que apresenta as 10 tendências de comportamento das classes C, D e E.

A seguir veja estas tendências, que impactam um mercado de R$ 760 bilhões:

1. Consumidor de inclusão: Estas classes têm uma forma própria de comprar que surge da descoberta do consumo. As marcas que forem atentas e apresentarem um novo universo de consumo terão bons resultados. Agora, as classes C, D e E tem o poder de escolha, pois seu poder aquisitivo tem melhorado.

2. Identidade e auto-estima: A base da pirâmide está mais consciente da sua importância na sociedade e valorizarão cada vez mais as suas conquistas enaltecendo a relação com as suas origens, sua história e suas características.

3. Acesso e Qualidade: Como seu poder aquisitivo está maior, poderão exigir mais. Melhor qualidade de atendimento, de produto e melhor qualidade de vida. Bom atendimento não é mais um diferencial e sim uma obrigação. As empresas que souberem utilizar melhor o custo-benefício sairão na frente.

4. Educação como investimento: Estas classes estão cada vez mais conscientes de que, com a educação podem conquistar mais. Assim investirão cada vez mais na educação dos filhos.

5. Juventude e geração C: Os jovens nessas classes estão mais escolarizados, informados e economicamente ativos que seus pais, formando futuramente uma nova geração de consumidores com hábitos de consumo diferentes da atualidade. O Brasil de amanhã terá mais as características dos jovens da atual baixa renda.

6. Vaidade e beleza como inclusão: Agora, as classes mais baixas terão mais acesso a produtos de beleza e estética, criando uma tendência que as empresas precisarão se adequar.

7. Novos Papéis, nova família: Os papéis dos homens e mulheres já não são mais os mesmos. Com o crescimento do poder (consciência, status e renda) as mulheres da baixa renda, estarão mais independentes e construirão uma outra relação familiar. Isso implicará no desenho de uma nova família, cada vez menor e com uma renda per capita maior.

8. Redes, dicas e boca a boca – As classes baixas sempre dependeram mais uns dos outros para viver, ou seja, cresceram e aprenderam a conviver em um ambiente colaborativo. Aliada às novas tecnologias e a disseminação das redes sociais, a baixa renda potencializará as suas já extensas relações sociais.

9. Capilaridade e segmentação – A geografia dos bairros e os diferentes tipos sociais das pessoas de baixa renda exigem diferentes formatos de produtos e distribuição das cias. Os canais de venda deverão ter maior capilaridade, e as marcas trabalharão produtos segmentados para uma grande massa de consumidores.

10. Tecnologia como investimento – A penetração de tecnologia da informação está em plena expansão nas classes baixas, principalmente através dos jovens populares. Tecnologia é vista como investimento no futuro profissional e como canal de acesso às informações antes restritas a minoria da população brasileira.

Fonte: Empreender
Bookmark and Share

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Classes C, D e E já superam as classes A e B na internet brasileira

Não deveria ser nenhuma surpresa para quem acompanha notícias de economia. Mesmo para quem acompanha o desenvolvimento dos números da audiência do meio nos últimos anos - "A soma das classes C, D e E já supera as classes A e B em número de pessoas com acesso", informou o Ibope em uma apresentação feita ontem em São Paulo. Assim como acontece em relação à renda, também na internet as classes A e B estão sendo ultrapassadas. De acordo com o Ibope, mais da metade das pessoas com acesso à internet, em regiões metropolitanas, são das classes C, D e E. A diferença ainda é pequena - CDE somam 51,6% e AB somam 48,4%, mas pelo gráfico mais abaixo é possível ver a mudança que está ocorrendo desde 2007. E o universo do qual a pesquisa está falando chega hoje a 66,3 milhões de usuários que usam a rede em casa, no trabalho ou em locais públicos. Mas o que isso quer dizer?

- Quer dizer que a cara da internet brasileira está mudando e quem produz conteúdo ou quem cuida da comunicação online das marcas precisa, no mínimo, reconhecer isso. Não me espantaria se, em pouco tempo, começarem a aparecer agências de publicidade especificamente online especializadas na classe C.

- E o que mais dizem os números do Ibope? Que na classe A, 14% acessam a internet usando o celular (6% na classe B, 2% na C e 1% na DE). O acesso mobile (por celular, pda ou smartphone) serve primeiramente para receber e enviar emails (27%), depois para ler notícias (23%). O ecommerce aparece no fim da lista, com 4%.

- Sejam usuários da classe A, C ou E, o fato é que são 66,3 milhões de pessoas (com mais de 10 anos), um grupo quantitativamente respeitável, não é mesmo? E, no entanto, embora tenha crescido 14% em relação a 2008, a internet representou apenas 2,8% do total dos investimentos publicitários em 2009.



Fonte: Blue Bus
Bookmark and Share

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Melhor comunicação trouxe novos sócios

Investir em comunicação adequada com seu público não é privilégio apenas das grandes empresas. Mesmo com o orçamento curto e as limitações de um pequeno negócio, é possível inovar e dialogar de forma mais eficaz com quem interessa. Foi assim que o Sindicato dos Representantes Comerciais do Estado do Ceará (Sindvendas) apostou em um programa de comunicação integrada voltado para micro e pequenos empreendedores, o perfil dos seus associados.


Emanuelle: "atitude é que vai fazer a diferença nessas horas " - Foto: Juliana Vasquez

"Estávamos sentindo a necessidade de melhorar a comunicação com os nossos associados. Mostrar à categoria todas as vantagens e benefícios de fazer parte do sindicato. Até então, essa era a nossa maior dificuldade. Assim, na tentativa de buscar meios que nos embasassem, conhecemos o Cresça e Apareça", explica Emanuelle Coelho, assistente de Marketing do Sindvendas. Segundo ela, a inovação na forma de desenvolver as atividades cotidianas é vital. "É a atitude que vai fazer a diferença nessas horas", afirma.

Apesar da implantação do novo sistema ter acontecido há menos de dois meses, os frutos já começam a ser colhidos: "De lá para cá acrescentamos mais 12 associados à nossa base", comemora. Conforme Emanuelle, o sistema implantado vem funcionando como um poderoso guia que assessora e direciona melhor quem não tem condições de pagar por uma agência de propaganda ou uma consultoria de marketing, mas sabe da importância desse investimento. "Com esse sistema temos informação suficiente para melhorar as ferramentas já existentes e construir novos instrumentos de marketing para auxiliar na comunicação", conta.

O retorno foi tanto, explica, que o Sindvendas já está estimulando o uso da ferramenta entre os representantes comerciais. "Isso vai fazer com que eles não fiquem limitados a entregar apenas um cartão de visitas para o cliente", argumenta.

Fonte: Diário do Nordeste - 10/02/2010

Acesse: www.crescaeapareca.com
Bookmark and Share

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Comunicação de micro e pequenas empresas exige cada vez mais profissionalismo

Por Luiz Santos – Publicitário e empresário

Já há algum tempo a Classe C se tornou a queridinha dos economistas, dos analistas e, claro, dos empresários. Pela sua força no gigantesco empurrão que ela dá na economia, pelos assombrosos números que definem o quanto seu consumo representa, a Classe C é a bola da vez. Mas existe uma outra Classe C que tem performance semelhante e até hoje luta para virar a bola da vez pelo menos no charmoso e, principalmente, caro, mundo do marketing e da comunicação. Trata-se das quase 15 milhões de micro e pequenas empresas brasileiras, heroínas que, por falta de condições financeiras, não conseguem realizar um dos seus maiores sonhos de consumo: ter uma boa agência de propaganda para chamar de sua. Importa dizer aqui que a boa comunicação é mesmo cara, que o esforço one-to-one de conhecimento e aprofundamento na complexidade mercadológica do anunciante requer muitas disciplinas e muitos experts.

O que começa a acontecer é que, para o micro e pequeno empreendedor, a última fronteira para garantir sua permanência no mercado é a profissionalização do marketing e da comunicação. Explica-se: a globalização dos processos de produção causou, no universo da comunicação, dois impactos significativos. O primeiro é a instantaneidade, que provoca assimilação de informações e reação imediata das pessoas em muitos aspectos do seu cotidiano. Isso influencia muito a relação da sociedade com as empresas, tanto no que se refere a conquistas e direitos do consumidor como também na sua preferência. Um boicote bem articulado no hemisfério norte pode estimular algo semelhante no hemisfério sul no mesmo dia. O segundo feito da globalização nos meios de comunicação diz respeito ao universo do marketing e da propaganda. Global Players passam a determinar um padrão de linguagem que leva o consumidor a desejar que ele seja estendido a todos os outros players, pois geralmente esse padrão é esteticamente bem elaborado, é agradável, respeitoso e tecnicamente convincente.

O resumo dessa história é que o micro e pequeno empreendedor agora tem mais esse desafio. Além de tudo o que já faz para ficar competitivo, precisa zelar pela sua imagem exatamente como as grandes empresas fazem. O seu cliente pode até ter bolso de boliviano mas a cabeça, graças àqueles dois efeitos da globalização, é de um consumidor suíço, exigente, que quer ser bem tratado também na forma, entendendo conteúdo como qualidade e preço.

Representar mais de 62% da mão de obra contratada do país e mais de 22% do total de vendas de comércio e serviços não é tarefa pouca nesse Brasil imenso. A importância social e econômica dos micro e pequenos empreendedores exige que eles sejam atendidos nesse novo nicho. É preciso que eles contem com um banco de conhecimentos que disponibilize praticamente tudo o que as agências de propaganda e as consultorias de marketing oferecem a seus grandes clientes.

Mas a dinâmica do mercado, o talento e a tecnologia trazem novidades: chegou o Cresça e Apareça, uma mistura de agência de propaganda e consultoria em várias disciplinas. Concebemos o Cresça e Apareça há uns 15 anos e há um ano e meio é desenvolvido aqui em Fortaleza pela LS Estratégia. É inédito no mundo no conteúdo e no formato em que se apresenta. Adquirido através de uma assinatura mensal de R$ 99,00 – preço de lançamento, o Cresça e Apareça traz no seu DNA o objetivo de incluir as micro e pequenas empresas no universo dos anunciantes experientes. Afinal, bem que a comunicação desses heróis já merecia um upgrade com essa dimensão.

Acesse: www.crescaeapareca.com
Bookmark and Share

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

A força das redes sociais no Brasil

A AgênciaClick realizou um radar completo do perfil dos brasileiros nas Redes Sociais. O resultado desse rastreamento pode ser conferido no vídeo abaixo, criado de forma dinâmica e criativa, com dados e estatísticas que comprovam o poder cada vez maior das redes sociais.

video

Fonte:Brainstorm 9
Bookmark and Share

sexta-feira, 5 de fevereiro de 2010

Ação Inusitada: Desfile na rua para divulgar grife

Para promover sua nova coleção a grife Brand Alley realizou um desfile inusitado em Londres. A marca resolveu chamar a atenção do público e da mídia realizando o que eles intitularam de FlashWalk, um desfile relâmpago em plena Oxford Circus, em Londres. Na ação, os modelos estavam com as roupas pintadas sobre o corpo, atraindo ainda mais a atenção das pessoas que passavam.

A ação inusitada gerou muita propaganda boca-a-boca e compartilhamento online, gerando mídia espontânea para marca em todo o mundo.

veja o vídeo AQUI.

Dica do Blog Inusitando.
Bookmark and Share

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Cresça e Apareça promove Concurso Cultural


Ter acesso ilimitado a conteúdos sobre comunicação e marketing. Quem quiser ganhar essa poderosa ferramenta, pode participar do Concurso Cultural Cresça e Apareça – Guia Online de Comunicação e Marketing para Micro e Pequenas Empresas. O interessado deve acessar crescaeapareca.com, fazer o cadastro e responder à pergunta “O que você espera do Cresça e Apareça?”. As 10 respostas mais criativas ganham assinaturas do Cresça e Apareça ou assinaturas anuais da Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios. O Concurso vai até o dia 25 de março e a lista dos ganhadores será divulgada no próprio site, no dia 31 de março.

O Cresça e Apareça é uma excelente ferramenta para quem deseja profissionalizar ou melhorar a comunicação da empresa. É um ótimo guia tanto para quem tem agência de publicidade, quanto para quem não pode ter uma. Pagando apenas R$ 99,00 mensais, você tem acesso 24h a conteúdos que vão desde o planejamento, passando por pesquisa, mídia, produção, assessoria de imprensa, criação publicitária até dicas de ações para o calendário comercial.
Bookmark and Share

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Indústria recua 7,4% em 2009

A indústria brasileira, ainda se recuperando após a crise econômica, obteve o pior resultado desde 1990 (-8,9%). No ano passado, registrou queda de 7,4% em sua produção, na comparação com 2008, quando havia subido 3,1%, segundo o IBGE.

Em dezembro, a indústria teve retração na produção pelo segundo mês consecutivo. A queda chegou a 0,3% em relação ao mês anterior. No mês anterior, havia sido verificada queda de 0,8%, segundo dados revisados. Na comparação com dezembro de 2008, foi constatado incremento de 18,9% na produção da indústria. Deve-se levar em conta que a indústria teve, no final de 2008, um dos piores desempenhos da história por conta dos efeitos da crise.
A Pesquisa Industrial Mensal demonstra que houve aumento de produção em 18 dos 27 ramos pesquisados em dezembro, na comparação com o mês anterior.

Veja os principais destaques da pesquisa:

- Indústria de produtos de metal, com alta de 11,3%.
- Produção de material eletrônico e equipamentos de comunicação, com recuo de 12,2%.
- Bens de consumo duráveis, queda de 4,9% frente a novembro e alta de 72,1% em relação a dezembro de 2008.
- Bens intermediários cresceu 1% frente a novembro e subiu 21% em relação a dezembro do ano passado.
- Bens de capital teve elevação de 0,3% frente a novembro e apresentou alta de 23% ante dezembro do ano anterior.
- Produção de bens de consumo semi e não duráveis cresceu 0,4% na comparação com novembro. Em relação à igual período em 2008 houve registro de elevação de 6%.

Fonte: Folha Online
Bookmark and Share

AddThis

Bookmark and Share